Portugal 2030

Portugal 2030 – Estratégia para a região Viseu Dão Lafões

A construção da estratégia de desenvolvimento da Região Viseu Dão Lafões, para o Portugal pós 2020, é matéria de elevada importância.

 

Neste contexto, revela-se um exercício refletivo fundamental e abrangente, que deve envolver vários atores, nos mais variados domínios temáticos.

 

A participação está aberta a todos os que pretendam dar contributos relacionados com os grandes objetivos de desenvolvimento da Região Viseu Dão Lafões, e com as ações e políticas públicas que para ele contribuem. As propostas e ideias recolhidas, devidamente enquadradas nos objetivos e opções que venham a ser definidos na estratégia Portugal 2030, serão consideradas na preparação da referida estratégia.

 

Esta iniciativa, a que se seguirão outras audições e consultas públicas, permitirá, assim, debater e construir a Estratégia Integrada de Desenvolvimento Territorial da região para o Portugal Pós 2020.

 

Envie o seu contributo. A sua opinião é muito importante.

 

Estratégia Nacional para o Portugal Pós 2020

 

O planeamento e política estratégica sobre o futuro de Portugal é matéria de extrema importância sendo um exercício reflectivo que deve envolver os mais variados atores económicos e sociais, para que seja o mais abrangente possível.

 

Conheça:

Documento de Reflexão sobre o Futuro da Politica de Coesão

Portugal Pós 2020

Estratégia Viseu Dão Lafões 2030

 

A reflexão estratégica sobre o futuro de Portugal no médio e longo prazo é um exercício da maior importância, que o Governo quer realizar de forma abrangente, envolvendo os mais variados atores económicos e sociais.

 

De entre os diversos atores, destacam-se as Comunidades Intermunicipais, as quais têm vindo a assumir, nos últimos períodos de programação, um papel e uma importância crescentes no planeamento, gestão, monitorização e execução dos Fundos Europeus Estratégicos de Investimento, nos respetivos territórios NUTS III.

 

O reforço da afirmação da escala intermunicipal, enquanto instância de reflexão e planeamento estratégico, em particular no que respeita à gestão e execução dos fundos estruturais, parece uma tendência futura irreversível.

 

Assim, a criação de condições para que venham a ser dados saltos qualitativos significativos em matéria de planeamento requer o reconhecimento das experiências do passado, a fixação de um quadro de referência que permita e apoie a tomada de opções conscientes e fundamentadas e, por último, o aproveitamento do conhecimento dos atores locais.

 

Neste sentido, a CIM Viseu Dão Lafões deu início, no decurso do ano de 2019, ao processo de reflexão e planeamento estratégico que esta Comunidade Intermunicipal deverá liderar para a adequada preparação do próximo período de programação com incidência na respetiva NUTS III, tendo, no início do ano de 2020, sido já realizados vários workshops temáticos no sentido de recolher contributos para a revisitação da Estratégia Viseu Dão Lafões.

 

Com este trabalho pretende-se:

  • Levar a efeito uma primeira apreciação avaliativa de caráter quantitativo, mas também qualitativo, das incidências do Portugal 2020 no território de Viseu Dão Lafões, nomeadamente da contratualização de investimentos e fundos comunitários à escala intermunicipal e no acesso aos sistemas de incentivos por parte das empresas;
  • Estabelecer um quadro de referência que a partir de um conjunto de indicadores permita de forma comparativa e dinâmica caracterizar e identificar a evolução do subespaço regional relativamente ao seu desenvolvimento económico, ambiental social e cultural, em suma à qualidade de vida;
  • Lançar um processo de capacitação e de mobilização dos agentes relevantes de Viseu Dão Lafões, designadamente o seu tecido institucional, para o planeamento estratégico através de um conjunto de metodologias e instrumentos inovadores e participativos;
  • Consensualizar uma primeira síntese estratégica e linhas de atuação futura que permitam dotar o subespaço regional de um documento referencial capaz de orientar as opções a tomar ao longo do processo de negociação e de programação.